Exames

O Celape realiza mais de 3 mil tipos de exames que vão desde exames de baixa complexidade até exames de DNA, Genética Preventiva, Medicina de Precisão, análises toxicológicas, entre outros.

 

Em uma estrutura moderna e com tecnologia de ponta, que hoje, com o avanço da tecnologia são feitas com auxílio de aparelhos automatizados que garantem resultados mais precisos, garantidos pelo PNCQ, um controle de qualidade patrocinado pela Sociedade Brasileira de Análises Clínicas, possuindo o mais alto conceito desta entidade desde a sua implantação.

Após a coleta todos os processos são rigorosamente controlados, através de um sistema de rastreabilidade, que garantindo a qualidade de todos os procedimentos adequadamente. Posteriormente as amostras são encaminhadas para os setores relacionados no laboratório, onde serão analisadas e liberadas por nossos responsáveis técnicos.

Perguntas Frequentes

Resposta: Alguns, sim. Os antibióticos e os antiinflamatórios, por exemplo, interferem nos testes de coagulação do sangue, normalmente solicitados em pré-operatórios. Portanto, quaisquer que sejam os remédios que esteja tomando, avise o atendente antes do exame. Caso um deles interfira, você terá que conversar com o seu médico sobre a possibilidade de suspendê-lo por alguns dias. Se a interrupção não for possível, esse dado terá que ser levado em conta na avaliação do resultado.

Resposta: Com certeza. Aspirina é o nome popular do ácido acetilsalicílico. Ela está presente em muitos analgésicos e antitérmicos, tais como AAS, Buferin, Doril, Melhoral, Aspirina Forte, Cibalena, Doloxene-A e Aspirina C. Mas também em antiácidos (Alka-Seltzer e Engov), onde está associada a outras substâncias farmacológicas. Por isso, guarde bem: todos os remédios com ácido acetilsalicílico interferem nos exames de coagulação do sangue. Em altas doses, podem diminuir os valores totais de tiroxina ou T4, um dos hormônios da tiróide.

Resposta: Porque ela não interfere nos fatores da coagulação que são avaliados neste teste. A aspirina age no sistema da coagulação, apenas como anti-agregantes das plaquetas. .

Resposta: O primeiro jato de urina traz células e secreção que podem estar presentes na uretra, principalmente se existir um processo inflamatório e/ou infeccioso chamado uretrite. Quando se está preocupado com uma possível infecção urinária, é importante que o material examinado não seja "contaminado" com o que estiver na uretra. Daí a necessidade de desprezar o primeiro jato e coletar o jato médio, ou seja, uma urina que representa bem o material que está na bexiga.

Resposta: De jeito nenhum, se forem testes de agregação plaquetária, curva glicêmica ou exame ergométrico. Nesses casos, não fume no dia do exame.

Resposta: Claro. Alguns exames, aliás, são solicitados exatamente porque a pessoa está com febre. A intenção é verificar se alguma infecção é a responsável. Porém, em algumas circunstâncias, a doença responsável pela febre pode interferir nos exames destinados a avaliar aspectos metabólicos e imunológicos. Por cautela, consequentemente, consulte o seu médico ou o laboratório antes de fazer o exame.

Resposta: Sim, por exemplo, no de urina. Por isso o ideal é fazê-lo fora do período menstrual. Mas, se for urgente, a urina pode ser colhida, adotando-se dois cuidados: assepsia na hora do exame e o uso de tampão vaginal, para o sangue menstrual não se misturar à urina.

Resposta: Sim, qualquer um deles. Porém, diversos hormônios e algumas proteínas séricas variam durante o ciclo menstrual. Portanto, é fundamental que o médico saiba em que período do ciclo o seu exame foi realizado.

Resposta: Alguns, sim. Por exemplo, os de glicemia e dosagem de fator VIII de coagulação. Tanto que, antes de fazê-los, você não pode ter se submetido a qualquer esforço físico. Além disso, lembre-se: os exames laboratoriais são padronizados para a realização em condições ideais, bem definidas. É o que os médicos chamam de condições basais. Em consequência, testes feitos após esforços físicos terão eventualmente valores diferentes dos que você tem.

Resposta: A glicemia reflete a quantidade de açúcar no sangue que, por sua vez, é uma fonte de energia de rápido aproveitamento pelo organismo. Dessa forma, sempre que o organismo precisar de mais energia, por exemplo, em esforço físico e stress, há alterações importantes nas velocidades de produção e consumo de açúcar. A maioria das vezes em que se faz exames de dosagem de glicemia, queremos saber como está o nível basal, pois o valor de referência diz respeito a esta situação. Portanto, a pessoa deve estar o mais próximo possível desta condição.

Resposta: Sim, especialmente o de triglicérides. Uma dose de uísque, uma cerveja ou um copo de vinho na véspera é suficiente para elevar os seus níveis, falseando os resultados. Por isso, o ideal é, antes do exame, ficar três dias sem ingerir qualquer bebida alcoólica. Importante: o álcool também altera o colesterol, mas pouco.

Resposta: Sim, mas principalmente no de triglicérides. Por exemplo, uma pessoa com triglicérides elevadas e que adota uma dieta rígida na véspera do exame terá um resultado falsamente baixo. Já alguém com triglicérides normais, mas que come uma feijoada no dia anterior, apresentará resultado falsamente alto.

Resposta: Você deve manter a sua dieta habitual nos 5 dias que antecedem os exames. É fundamental jejum de 12 a 16 horas para a coleta do sangue.

Resposta: É a que você costuma comer no seu dia a dia. Portanto, essa instrução significa apenas o seguinte: não mude a alimentação.

Resposta: Não. Mas convém tomá-la com moderação. O excesso interfere nos exames de urina. Se seu exame envolve algum tipo de anestésico, você não poderá beber água.

Resposta: Nem todos. O hemograma simples, por exemplo, dispensa o jejum. Já glicemia e triglicérides exigem que você fique várias horas sem comer. O tempo de jejum varia de acordo com o exame.

Resposta: Nem todos. Desde que se obedeça ao tempo estipulado de jejum, alguns podem ser colhidos inclusive à tarde, sem problemas.

Resposta: A boa prática laboratorial recomenda que, para a maioria dos exames de sangue, a coleta seja realizada após um período mínimo de quatro horas de jejum, para o indivíduo adulto. Crianças e recém-nascidos devem ter este prazo reduzido ou até mesmo abolido, dependendo de cada situação clínica. Para cada exame, porém, pode haver necessidade de orientação específica, pois a concentração das substâncias absorvidas, como a glicose, por exemplo, varia de acordo com o tempo após a ingestão do alimento. Em contrapartida, um tempo de jejum muito prolongado também causa variações. Cada paciente, cada exame e cada situação devem ter suas particularidades analisadas de forma a se obter o maior grau de confiabilidade dos resultados. Em caso de dúvidas, consulte sempre o seu médico.

Resposta: Alguns, não. É o caso das dosagens de cortisol, ferro e ACTH (hormônio adrenocorticotrófico). Esses exames devem ser realizados obrigatoriamente na parte da manhã. Motivo: é nessa parte do dia que tais substâncias têm um pico no organismo.

Resposta: Não. Também não precisa ser a primeira evacuação do dia. Isso vale para todos os tipos de exame de fezes. Detalhe: para a comodidade do cliente é melhor o material ser colhido em casa, num frasco apropriado, fornecido pelo laboratório

Resposta: A 1ª amostra do exame Parasitológico de fezes seriado deve ser colhida sem uso de laxante para que o material fecal possa ser avaliado macroscopicamente (para verificar presença de muco, pus, sangue etc.) e também para poder ser realizada uma técnica de pesquisa de larvas de um determinado parasita na qual há necessidade das fezes não estarem semi-líquidas/líquidas.

Resposta: Somente se o seu médico solicitar. Se isso não acontecer, a urina poderá ser colhida em qualquer horário do dia, mas com um cuidado antes do exame: de preferência, permanecer duas horas sem urinar. Dará o volume ideal para uma boa coleta. O ideal é que seja colhida em frasco apropriado, fornecido pelo laboratório ou adquirido em farmácia.

Resposta: Depende do tipo de exame. Para cultura, o ideal é que a urina seja colhida no laboratório. Já a urina tipo I, que é mais comum, pode ser colhida em casa.

Resposta: Não, desde que se adotem dois cuidados para não misturar esses medicamentos à urina: assepsia na hora do exame e uso de tampão vaginal.

Resposta: Em geral, causa apenas um leve incômodo, pois o procedimento é muito rápido. Mas isso é muito variável, pois depende da sensibilidade de cada pessoa e da destreza do profissional que realiza a coleta.

Resposta: Isto chama-se hematoma: extravasamento de sangue para fora da veia. Ele pode ocorrer em determinadas situações, tais como: veias finas, delicadas, com muita pressão; falta de boa compressão no local da punção; e paciente usando algum medicamento que altera a coagulação do sangue, entre os quais a aspirina.

Resposta: Independentemente do exame ser realizado como particular ou pelo plano de saúde, os resultados podem ser retirados pessoalmente, em nossas unidades de atendimento, portador ou aqui em nosso site. No entanto, por questões éticas e de segurança, somente seu médico pode entrar em contato e conversar com nosso assessores médicos para obter seus resultados.

Resposta: Não. Apenas alguém portando o comprovante pode retirar os resultados. Evidentemente, existem casos excepcionais que serão analisados pelo médico de plantão.

Resposta: O atendimento de gestantes, idosos e crianças é prioritário. No entanto, em algumas situações, é necessária a presença de profissionais mais especializados (área infantil, área ginecológica) causando, algumas vezes, certa demora.

Resposta: Antibiograma é um exame cuja finalidade é verificar quais são os antibióticos mais indicados para o tratamento da infecção causada pela bactéria isolada no material clínico analisado. Por este teste, ficamos sabendo a quais antibióticos a bactéria é sensível e a quais é resistente.

Resposta: Sim, possuímos profissionais especializados, que participam de cursos de reciclagem na área de coleta infantil.

Resposta: O exame de urina tipo I é um exame de rotina que avalia, além de alguns aspectos da integridade das vias urinárias, algumas funções renais e algumas situações extra-renais. É um exame geral, de triagem, e seus resultados devem ser interpretados levando em conta vários dados clínicos do paciente. Não é preciso ser feito com a primeira urina da manhã nem esperar duas horas pelo fato de serem avaliados parâmetros mais ou menos constantes, que não se alteram de forma significativa ao longo do tempo. Este exame deve ser feito, principalmente, quando se suspeita de algum problema infeccioso e/ou inflamatório de vias urinárias.

Resposta: Não se deve tomar laxante pois ele provoca um aumento de velocidade do trânsito intestinal, com modificação da absorção. Como a absorção de glicose é a base do teste, este pode ser prejudicado.

Resposta: A pesquisa de sangue oculto nas fezes é utilizada para auxiliar o diagnóstico de doenças do intestino (especialmente do colo), em que exista sangramento. Como o álcool é um irritante gástrico, podendo causar sangramento do estômago por irritação, a ingestão de álcool em grande quantidade é desaconselhada para quem vai fazer este tipo de teste.

Resposta: A recomendação é feita para os hormônios que sofrem flutuação conforme o dia do ciclo, como o LH, FSH, estradiol e progesterona.

Resposta: A coleta de sangue significa realizar a punção de uma veia - ou em situações especiais, de uma artéria - para a obtenção de um volume de sangue para a realização de exames de laboratório. Algumas vezes, é possível obter o volume necessário por punção digital ou de calcanhar. Em todas as circunstâncias, a pele é puncionada, o que significa um pequeno trauma e uma lesão. Há um pequeno desconforto e um potencial risco de contaminação. Dessa forma, os cuidados implicam em fazer uma assepsia adequada no local da punção e o uso de instrumentos - agulhas e/ou lancetas - esterilizadas. Além disso, a prática e destreza do pessoal de coleta são importantes. Repetir o processo várias vezes, evidentemente, não é adequado, um cuidado precisa ser tomado em relação ao volume de sangue coletado. Quanto menor a criança, menor o volume de sangue existente, e, proporcionalmente, maior o volume coletado.

Resposta: Para que se tenha uma ideia da quantidade de cada um dos tipos de glóbulos brancos circulantes é importante termos a contagem global e a específica. Alguns problemas podem causar alterações em tipos específicos de glóbulos brancos. Assim, é importante saber se o aumento ou a diminuição observados são absolutos ou relativos. Daí a necessidade de contar o total dos glóbulos brancos.

Converse pelo Whatsapp

Entraremos em contato assim que possível.